Cultura(s) / O lugar das mulheres no mundo do trabalho

A1 Iniciante
O lugar das mulheres no mundo do trabalhoNo seu país, na sua cultura, existem mulheres de negócios? É comum ou raro? Como você reagiria se o seu patrão ou diretor geral fosse uma mulher? Nos filmes, programas de televisão ou novelas de sua cultura, em que medida os homens e as mulheres são representados como seres independentes, com poder de decisão e iniciativa? "Mais de 30 anos após a chegada massiva das mulheres às "Grandes Écoles" (universidades de alto nível) e apesar de uma população feminina ativa de 46%, as mulheres representam apenas 6% dos conselhos administrativos das empresas e menos de 5% entre os presidentes de grandes empresas francesas." ©Observatório do OCDE n° 267, maio-junho de 2008 Uma empresa pode ser dirigida por uma mulher (é o caso da TV5MONDE), porém, de maneira geral, na França as mulheres ocupam menos cargos de responsabilidade e recebem salários inferiores aos dos homens com o mesmo nível de qualificação. Além disso, as mulheres trabalham mais em meio período do que os homens. Trabalhar e ter filhos No seu país, na sua cultura, quem cuida dos filhos durante o dia? É a mãe, o pai, os avós, os vizinhos, a babá? Existem soluções para acolher as crianças enquanto as mulheres exercem uma atividade profissional? Como você, enquanto pai ou mãe, reagiria se você tivesse a possibilidade de tirar uma licença de 2 semanas a 6 meses para cuidar de seu filho pequeno? Nos países francófonos ocidentais, as mães têm direito a uma licença-maternidade: 16 semanas na França e 18 semanas no Quebec. Existe também uma licença-paternidade quando a criança nasce. Na França, a licença-paternidade (11 dias, que se somam aos 3 dias dados no nascimento) existe desde 2002. Ela é cada vez mais valorizada: cerca de 70% dos pais tiram essa licença hoje em dia. Agora é finalmente possível tirar uma "licença parental de educação" remunerada durante um curto período. Na França e na Bélgica, as crianças de menos de 3 anos podem ir à creche ou ficar com uma babá, o que permite que os pais continuem a trabalhar. Mas também é possível que a mãe fique com as crianças em casa. É raro que o pai renuncie temporariamente a uma atividade profissional para cuidar dos filhos.